Futilidades femininas no meu guarda roupa

Olá minhas rainhas!

Uma das coisas que adoramos fazer, é ir ás compras. Mulher adora fazer compras, seja de roupa (principalmente😆), maquilhagem, perfumes, sapatos, malas (muitas malas 😉), bijutarias e claro, não posso esquecer, coisas para a casa que eu adoro. Sim, há coisas que são necessárias e outras….apenas futilidades femininas 😉Somos  avós, mães, irmãs e filhas mas seremos sempre e acima de tudo, mulheres! Com todas as correrias do dia a dia, tempo limitado e para algumas o dinheiro contado, muitas mulheres esquecem-se de si próprias em detrimento de outros. Das vidas atarefadas e divididas entre o trabalho e o lar, a falta de ou pouca vida social, a mulher de hoje simplesmente esqueceu-se de ser princesa e rainha.

É claro que não estou  a dizer para se comprarem coisas desnecessárias, apenas pelo acto ou para preencherem um vazio nas vossas vidas, e por causa de terceiros. Falo em fazer compras para vos fazer sentir especiais, únicas e apenas porque vocês mulheres, merecem.

Se vou falar de mim, bem… Eu sou vaidosa e com o passar dos anos cada vez mais 😉 . Com o passar do tempo apercebi-me que a mulher não se arranja para um homem mas sim para outras mulheres. E isso, é a natureza da competição e no meu caso, bem… são as duas coisas!

Tu como mulher precisas… não… necessitas sentir-te como uma princesa ou uma rainha… precisas sentir-te especial.

No entanto (e é uma coisa que reparo muito), são mulheres novas e mais velhas, as que  querem vestir a moda do momento, combinando cores, estilos e tecidos num resultado caótico.

Vai com calma, aprende sobre o teu corpo (o que fica bem a uma magra, não vai ficar bem a uma mais cheia de corpo) as cores (e a mulher negra fica bem com tantas cores), os padrões, as texturas, os tecidos, as marcas (cada marca é diferente especialmente para a mulher negra).

Aqui deixo imagens de combinações  de cores, texturas e padrões,  que eu gosto.

Estas são as minhas  futilidades femininas no meu guarda roupa. Bem vinda!

 

Sê rainha, sê a rainha.

Beijinhos.

20161213_134513-1
As cores nude, rosa pálido e rosa velho, bem conjugadas fazem maravilhas na pele negra.

20161213_134216

20161213_140227-1
Tudo o que tem a haver com o tema Africano, ficam-nos muito bem.
20161213_133951-1
Bordeaux, sobressai na nossa pele.

 

 

 

Eu conheço as minhas raízes. Conheces as tuas?

Olá minhas rainhas

 

Com  atitudes  justificadas com o ” 500 anos calados” vejo  jovens revoltados com o mundo de comportamentos pouco graciosos e pouco dignos dos nossos antepassados, dos que viveram em primeira mão os sofrimentos, os castigos, os maus tratos, os que lutaram da melhor maneira que sabiam para que as futuras gerações (nós) pudessem gozar da liberdade, da expressão, de um mundo sem opressão.

Não basta só dizer que és de Cabo Verde ou descendente de cabo-verdianos e falar crioulo quando te convém…. o que é Cabo Verde para ti?  Reconhecerias o hino se o ouvisses? O que é ser africana  e descendente de africanos para ti? O que é ser africana e luso africana em Portugal? Porque razão achas que não pertences aqui?

bandeiras

Os cabo-verdianos são descendentes de antigos africanos (livres e escravos) e de europeus de várias origens, na sua maioria portugueses mas também italianos, franceses e espanhóis entre outros povos europeus. Há também cabo-verdianos que têm antepassados judaicos vindos do Norte África principalmente nas ilhas de Boavista, Santiago e Santo Antão. Grande parte dos cabo-verdianos emigrou para o estrangeiro, principalmente para os Estados Unidos, Portugal e França, de modo que há mais cabo-verdianos a residir no estrangeiro que no próprio país.

Sabias que 57% dos genes dos cabo-verdianos são de origem africana e 43% têm origem europeia, o que faz do arquipélago uma das populações que representam mais mistura na Terra. Especial não é? 🙂

Respondi a uma pergunta que me foi feita à pouco tempo: ” Tu és mestiça?”. Sim, sou. Respondi que mestiça são pessoas que descendem de duas ou mais raças diferentes, possuindo características de cada uma das raças de que descendem.

Eu sou uma mulher negra  de descendência africana com orgulho. Eu sei, conheço e respeito as minhas raízes. Sou filha de  emigrantes cabo-verdianos, de gente trabalhadora e muito lutadora.   Na minha família sou a primeira geração de cabo-verdianos a nascer em Portugal, o que faz de mim luso africana como tantas gerações neste país. Infelizmente vai sempre haver algum estigma em relação à nossa cor. Para mim são pessoas de mente pequena que têm medo daquilo que não conhecem e, por isso, cabe a nós tentar mudar essa imagem negativa que muitos tem de nós.

Para mim Cabo verde ainda é um país estranho porque nunca fui (com muita pena minha, mas cuja viagem está planeada) e nem por isso faz de mim menos africana. A minha mãe admira a minha paixão por um país que nem conheço. Apenas posso escrever com convicção sobre as minhas raízes porque me foram ensinadas com paixão e muito orgulho e não esqueço que continuo a aprender sobre o país das minhas origens.

Em todos os seus aspectos, a cultura de Cabo Verde caracteriza-se por uma mistura de elementos europeus e africanos. Adoro o nosso artesanato que tem grande importância na cultura cabo-verdiana  e que foi, e ainda é, o único meio de subsistência para algumas famílias incluindo a minha. Na cozinha da minha mãe aprendi a fazer a cachupa e a sua história.  Aprendi desde jovem  a literatura cabo-verdiana  que é uma das mais ricas da África lusófona.

Foi a ler pequenos poemas e contos do Sérgio Frusoni que aprendi a escrever crioulo (Criol d’ Soncente), Eugénio Tavares na sua maneira única de escrever  sobre as alegrias e tragédias de Cabo verde, Baltasar Lopes da Silva com uma das suas obras o Dialecto Crioulo de Cabo Verde  que para mim foi uma das obras de melhores referências para a língua crioula Na música há géneros musicais próprios, morna, funána, coladeira e batuque. Foi com o sucesso internacional de Cesária Évora ( Rainha dos pés descalços) que Cabo Verde ficou mais conhecido mas sem tirar o merecido mérito da voz inconfundível do Bana que foi guarda-costas do B.Leza, o grande senhor das mornas.

Poderia ficar aqui horas a escrever sobre as maravilhas de Cabo Verde e de Portugal, mas fica para outro post. 😉  Fala-me das tuas raízes, do que tens orgulho.

 

Fui escrava e fui colono.

Eu sou África e sou Portugal.

 

Beijinhos Rainhas

 

 

 

Pequenos passos

“Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa. Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa. Tome […]

via Mude — Os 30 e Eu