“Carapinha para sempre”

Olá rainhas.

Vi esta comédia romântica há pouco tempo na  Netflix. Gostei e recomendo,  para uma  tarde bem passada com as amigas, mas em especial, para quem quer passar ou já passou por uma ou varias transições para cabelo natural. É um filme sobre aceitação e a valorização da beleza interior da mulher negra em busca da sua essência de mulher africana.
A história faz um bom trabalho ao retratar diversos aspectos durante esse processo, e ajuda a identifica-los e consequentemente a fazer questões a ti própria.

O tema do filme não é novidade. O factor raro e diferencial aqui é o facto da personagem ser afro-americana.

O filme é dividido em capítulos e cada título corresponde a uma fase na qual se encontra a protagonista, Violet.

O filme não é (nem poderia ser) perfeito, centra-se muito na divisão entre o cabelo postiço, liso e o cabelo natural africano. O discurso do filme é real e lidamos com ele diariamente nas redes sociais, na rua e muitas vezes, se não sempre, até dentro de casa. Pressão imposta pelas mães (maioritariamente) para ter um cabelo liso e “arrumado”. O filme utiliza o discurso de amor próprio e explora de maneira bastante criativa, esta divisão entre o que é considerado na sociedade como cabelo “perfeito e imperfeito”

Assim, a textura do cabelo que não é liso aparece no filme como uma imperfeição pouco aceite (mãe, namorado, colegas de trabalho e a sociedade) mas o argumento é incorrecto: os nossos cabelos encarapinhados e ondulados não são imperfeitos.

Para mim o ponto alto e um pouco irrealista do filme, é O CORTE da protagonista Violet.

A cena do CORTE levanta algumas criticas da minha parte, porque o corte é feito quando a protagonista está embriagada e revoltada. Ainda que tenha transparecido  para a história parte da insatisfação e inquietude da personagem em relação ao seu cabelo e à sua aparência, não é assim que gostaríamos de ver retratado esse ponto tão importante na trajectória de alguém que decidiu assumir o seu cabelo natural.

Não questiono a possibilidade de cenas assim acontecerem na vida real, mas acredito que estes movimentos impulsivos devam ser excepção. Decidir assumir o cabelo natural costuma e deveria  ser um movimento consciente, para que não hajam arrependimentos, como parece acontecer com a personagem (fartei-me de rir e chorar a rir…😂)

Quanto mais consciente for essa decisão do grande corte, mais fácil é a adaptação e aceitação dos cabelos curtos, principalmente para mulheres que passaram a vida toda com comprimentos médios, longos e cheios de volume.

Vários exemplos giram em torno dos cabelos da Violet. A filha “perfeita” que está sempre arranjada, a profissional bem sucedida que tem tudo “sob controlo”, a futura esposa troféu perfeita e ideal para o homem negro bem-sucedido, a imagem de mulher negra perfeita, etc… enfim muitos adjectivos e muito cansativo.

Tudo no filme refere-se a estereótipos supérfluos que o cabelo liso proporciona à Violet. Mais tarde será em parte questionado pela própria personagem e provavelmente , também quem vê o filme acaba por se questionar igualmente como se vê a si próprio e como o mundo a vê a partir da sua própria aparência.

A mulher de hoje dá muita importância e gasta muito tempo no cabelo e na sua imagem de tal forma que não é natural (é quase como um segundo trabalho). Com isto não quero dizer que não nos devemos arranjar e mimar, claro que não. Todas sofremos pressão das nossas sociedades para andarmos perfeitas 24/24 e isso é impossível. Tentar ser perfeita 24/24 é muito desgastante, passas a vida a correr, a pensar no que os outros pensam de ti, a pensar de mais, a fazer contas ao que gastas e estás sempre em pânico, quando na realidade deveria haver um equilíbrio. Perdes tempo com coisas fúteis e banais, quando podias estar a fazer ou a criar outras mais importantes e mais enriquecedoras.

Estar no nosso melhor, deveria ser para nós e não para os outros. Deve ser algo natural, bonito, intimo, pessoal e sem esforço.

Nunca vamos conseguir controlar o que os outros pensam ou dizem sobre nós. Quantas vezes acordei e decidi sair de casa sem maquilhagem e deixarem-me ver  exactamente como sou. Em vez de ficar incomodada, fico aliviada e sinto-me livre. Não vou falar do meu cabelo, porque ele é bem curtinho, por escolha minha. O meu cabelo curto é a minha individualidade é o que me separa do resto do mundo e adoro. Eu sei que sou mais que o meu cabelo, que a minha maquilhagem ou as roupas de marca (ou não) que eu visto. Eu, como vocês somos mais do que aquilo que o mundo vê. Acho que devemos ter a confiança de sermos nós próprias, de desligar um pouco do mundo da fantasia que são as redes sociais, das capas de revista dos videos clips musicais, da pressão de tentar impressionar o rapaz/homem que gostamos ou das raparigas com quem nos damos todos os dias.

A tua atitude sobre ti mesma fala muito sobre como as pessoas te vêem!
Liberta-te das correntes que te foram impostas.

Atreve-te a ser livre e aceita-te como és.

Se ainda não viram este filme, aconselho a ver. Tem mensagens bonitas e importantes.

O título em inglês é “Napply Ever After” ou em Português, “Felicidade Por Um Fio”. O titulo em inglês faz jus ao filme, que quer dizer simplesmente, “Carapinha para sempre”

O que acharam?

Author: África vaidosa

Abomino a indiferença entre as pessoas. Eu sou eu. Com algumas falhas mas com muitas coisas boas.

One thought on ““Carapinha para sempre””

Leave a Reply to Ana Rocha 🌱🌍 Cancel reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s